domingo, 9 de novembro de 2014

Resplandece.

Resplandece.
Lua que resplandece solitária, guia meu caminho, madrinha de prata, protetora dos apaixonados, toma em sua luz meu peito gélido.
Doce, será teu  toque em meus sentimentos, quente, será o vibrar dos corações desesperados, vertiginoso, o alcance dos sonhos de desejo e amor, mais sem toda a paixão escarlate, aterradora será a solidão da qual partilhamos ambos, enterrados em seus mundos gélidos, ambos separados de suas almas, e como pode, existir dor tão lancinante que me coroe por dentro, transformando sonhos em torturas, e medos, esses reais, que tocam meu peito como dedos estendidos, sugando cada sentimento doce e quente para transformar-me nesta sombra que aqui se entrega, e que aqui implora pela benção de teu acalento prateado.


B.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário