sábado, 8 de novembro de 2014

Destino.

Destino.
Criado para guiar-me, confunde-me em seu desenrolar.
Enquanto clama em meu peito a revolução e a libertação. Em meu tempo preso me submeto a leis... Mundanas são essas que nus controlam, enquanto não mais divinos que bestas nus mostramos, ou curvamo-nos como vermes, soes traidor de vos.
Ei de urrar desesperado o latente revolucionário aprisionado, queimando por minhas veias seus sentimentos,  preso, atado, não desisti, mais que caminho devo tomar, oro, pai guia meus pés pelos jardins de sua turbulência, deixa crescer em mim desejo e alma, e que esta... torne-se calma, calma para cumprir seus desígnios.


B.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário