domingo, 9 de novembro de 2014

Esperança


                     Esperança.
Hoje acordei com cálidos raios de sol.
Os mesmos raios que invadem minha janela.
La fora o frio.
De um inverno longo e impiedoso.
Para o qual sua ausência me baniu.
Transforando e partindo meu coração em pedaços.
Pedaços tão pequenos.
Que poderiam atravessar o buraco de uma agulha.
Enquanto oro para que aquela não tenha sido a ultima vez.
A ultima vez que a vi.
A ultima vez que a tive em meus braços.
E com a esperança de ter-te novamente.
Com a esperança de selar lhe os lábios.
Em um beijo avido.
Em uma abraço desesperado.
E em nosso desejo desesperado.
Fundir-nos uma vez mas.
Em sonho.
Em alma.

B.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário