sábado, 8 de novembro de 2014

O Poeta.

O Poeta.

Sou eu o poeta que de dores se aproveita.
Aquele que fala sem medo dos amores que ferem.
Aquele que mente quando lhe perguntam se são reais.
O que invoca em pleno silêncio o tocar das notas melódicas das paixões.
E por fim morre na melodia embriagada de amor.
Na harmonia de um corpo sedutor .
E que quando a dor transcende a carne.
Mergulha em torpor.
Negando lhes o sentido.
Negando lhes a vida.
Que de nada servira.
E mesmo depois.
Ainda assim ama.

E se entrega.

B.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário